06 janeiro 2011

Farewell Tour foi rentável?

Com a chegada do novo ano começam a surgir listas das maiores turnês do ano passado, é engraçado notar que o a-ha não consta nelas, mas só para constar, a Farewell Tour foi fim uma das maiores turnês de 2010. 

O a-ha poderia ter explorado mais dessa turnê com mais concertos em estádios pelo mundo afora, mesmo tocando em grandes arenas a banda pôde gerar uma grande receita em uma turnê que durou apenas um ano.

Os maiores concertos da Farewell Tour aconteceram na Noruega:

Oslo – Estádio Ullevaal – público: 29 mil
Bergen – Estádio Brann – público: 25 mil

Concerto do a-ha em Bergen.

Desde o início da turnê o a-ha recebeu público de 1.200 pessoas, como no Oslo Konserthus, 10 mil pessoas na Wembley Arena e 30 mil no Estádio Ullevaal. Com o preço médio de bilhetes em torno de 500 coroas (100 dólares ou 160 reais, aproximadamente), a turnê irá arrecadar ao final cerca de 250 milhões de coroas (cerca de 50 milhões de dólares).

- Grande parte dos concertos esgotou a venda de bilhetes, eu diria 80 a 90%. Eu calcularia um total de 500 mil pessoas nesses 73 concertos, mas é apenas um palpite nesse momento, disse o empresário da banda, Harald Wiik.

É possível que esse número seja maior. Dagens Næringsliv (um dos jornais mais importantes e sérios da Noruega) especulou no outono que a banda arrecadou, somando venda de álbuns e coletâneas, ingressos e mercadoria, cerca de 500 milhões de coroas em menos de um ano (cerca de 100 milhões de dólares).

-Isso eu prefiro não comentar, seria um retrato muito detalhado. Mas 73 concertos em arenas e estádios ao redor do mundo é de fato uma turnê imensa, mesmo não sendo nas mesmas dimensões de U2 e Rolling Stones. Ao mesmo tempo, é preciso lembrar que a arrecadação varia de país a país. Em alguns, o preço do ingresso é mais alto que em países mais baratos. Entretanto, mesmo com custos estáveis, não fica mais barato alugar equipamento de palco, mesmo com a recessão econômica, disse Wiik.

O a-ha está envolvido atualmente em cinco diferentes empresas, que também faturaram com a turnê de encerramento. Os três membros da banda tem cada um sua própria empresa, além de uma parte no gerenciamento da banda, a a-ha Network, bem como duas empresas registradas no Reino Unido e Ilhas do Canal, a Swinglong Limited e a Chart Promotions ltd.

As informações foram retiradas do jornal norueguês Aftenposten, que usou um membro da indústria da música como fonte, afirmando que a turnê foi lucrativa.

-Devo ressaltar que não conheço detalhes dos contratos do a-ha, mas eles sempre tiveram uma reputação dentro do ramo de que são bons em fazer contratos e dinheiro quando se trata de música, especialmente nos anos 80 e 90, quando muito poucos artistas foram tão cuidadosos com o planejamento da carreira a longo prazo. Atualmente é comum que bandas tenham controle sobre grande parte de suas carreiras, mas essa é uma tendência que se consolidou apenas na última década, afirma Slettemark.

No ano passado o a-ha lançou seu último álbum, "Foot of the Monutain", em 2010 a banda também relançou seus dois primeiros discos, "Hunting High and Low" e "Scoundrel Days", além da coletânea "25". As vendas se aproximaram das 100 mil cópias só em terras norueguesas. Porém não é da venda de discos que a banda tira seu maior faturamento.

Muito Lucrativo


Quando no início do ano se tornou conhecido o fato da banda anunciar o final da carreira, muitos sugeriram que seria a última vez que se ouviria falar de a-ha. Slettemark não acredita nisso.

-A banda sempre foi boa de negócio, mas eu acredito neles quando dizem que vão parar porque a banda terminou. Mas não vou ignorar o fato de que eles façam uma turnê de reunião em 5 ou 10 anos. Seria extremamente lucrativo, diz Slettemark.


FONTES:


Jornal Aftenposten
A-ha The Best

3 comentários:

Hebinha disse...

Eles realmente mereceram tudo o que ganharam,considero a-ha a melhor banda que conheço e por "culpa" deles mesmos não lucraram mais,acho que esse não era o principal objetivo deles,vai entender...

Anônimo disse...

Acredito que a má gestão dos seus negócios e carreira deve-se principalmente ao hiato que se deu entre 1995 e 2002. Infelizmente ...
Brigas? Vaidades? Cansaço? Nunca saberemos ... eles são tão reservados ... Imagina só se a gravadora tivesse trabalhado a divulgação dos álbuns aqui no Brasil nessa época, sem dizer no resto da América! Eu adoro a banda, mas nunca tive condições de correr atrás dela mundo afora. Só reconheci a banda no Live Aid porque passou na televisão e porque comecei a ter domínio sobre a internet. Os fãs os seguem pela internet. A mídia não dá a importância devida. A MTV nem se fala. No ano passado ouvi a apresentadora dizer " A banda que insisti em continuar". Um absurdo!
Mirna

VANDERSON BARONE disse...

Realmente, eles poderiam ter faturado muito mais, tanta coisa poderia ter sido lançada como DVDs por exemplo, mas parece que eles estão satisfeitos com suas contas bancárias, pra mim o que importa mesmo é que tiveram uma carreira limpa, e souberam sair enquanto (apesar dos esforços contrários da mídia) estavam ganhando. O A-ha é um fenômeno, goste a mídia ou não. Torço (como qualquer fã) que uma nova turnê surja algum dia, seja ela com o título de "turnê de reunião" ou "caixinha pra comprar bacalhau", eu tô dentro.